Luz azul-violeta: Saiba o que é e como ela age para se prevenir de seus malefícios

Luz azul-violeta: Saiba o que é e como ela age para se prevenir de seus malefícios

Em nosso últimos post você pôde conhecer alguns dos meios mais frequentes em que nos expomos à luz azul-violeta, bem como práticas que podem ser adotadas para períodos de exposição intensa à ela.

Conheça o hoje do que se trata a luz azul-violeta, como ela age em nosso organismo, além de uma excelente solução para esse problema.

Acompanhe:

O que é uma luz azul-violeta?

É importante que, de início, você saiba que existem dois tipos de luzes definida como azul. São elas:

  • Luz azul-turquesa
  • Luz azul-violeta.

A versão turquesa é de extrema importância, isso porque ela é responsável por organizar o nosso relógio biológico.

A liberação de substâncias que controlam o sono, nossa sensação de bem-estar e também de estresse são controladas por essa primeira luz azul.

Já a azul-violeta, a quais trouxemos em nosso último post, está presente em luzes artificiais de led, comuns em diversos aparelhos eletrônicos, a qual é extremamente prejudicial à saúde em diversos aspectos, mas, principalmente, à nossa visão.

Como você já pôde ler, essa versão deixa os olhos mais secos, sendo essencial mantê-los continuamente úmidos, característica base da saúde dos olhos.

Fora isso o contato excessivo com a luz azul também afeta o nosso sono, sendo um dos principais responsáveis por um dos males do século, a insônia.

O contato frequente com a luz azul-violeta ainda afeta a visão prejudicando a nitidez de objetos que estejam distantes.

Se você pensou que esse pode ser um grande fator favorecedor da miopia, saiba que está correto!

Como a luz azul-violeta age em nossa mente e corpo 

Ao fazermos uso de aparelhos eletrônicos frequentemente, a produção de melatonina é bloqueada, quadro ainda mais agravado quando falamos da exposição à essa luz no período noturno.

A melatonina é um hormônio produzido por nosso organismo na ausência de luz, que tem função de regular o relógio biológico.

Ele nos faz ter sono durante à noite e também aquela enorme disposição pela manhã. 

Se você tem o hábito de, antes de dormir, fazer uso do celular, por exemplo, adivinhe o que ocorre?

Seu corpo naturalmente entende que por mais cansado que sua mente e corpo físico estejam é necessário ficar acordado!

É essa a mensagem que você envia.

Por isso, se torna difícil conseguir pegar no sono após utilizar aparelhos eletrônicos.

Luz azul-violeta pode causar insônia grave. Photo by Ben Blennerhassett on Unsplash

Nesse caso, se você já não conta mais com a qualidade das duas características citadas é essencial que você modifique esses hábitos.

Para resgatar essas duas características ideais para que o seu corpo realmente descanse e tenha energia, indicamos a adoção de duas práticas:

Primeira: Deixar os aparelhos eletrônicos de lado, ao menos uma hora antes de dormir.

Segunda: Substituir o uso de celulares, tablets e televisores por um livro. Afinal, a leitura, quando feita dessa forma, ainda ajuda a induzir a sensação natural de sono.

Você pode, por exemplo, em sua rotina noturna incluir um banho seguido de uma leitura com luz baixa, com o auxílio de um abajur de luz amarela, para convidar o sono e auxiliar seu organismo.

Segundo uma pesquisa realizada pela renomada Universidade estadunidense de Harvard, em uma comparação feita com o efeito da exposição à luz azul e à verde (luz comum), com brilhos visivelmente semelhantes pelo período de 6 horas e meia, foi possível observar que a luz azul-violeta dobrou o ritmo circadiano de 24 horas. 

A melatonina também foi alterada em cerca de duas vezes mais em relação à luz verde.

Dá para imaginar?

Isso quer dizer que, muito além da uma ou duas horas a mais que você tem demorado para pegar no sono, de fato, a continuidade da exposição à luz azul pode afetar por completo o entendimento do seu organismo sobre os períodos de sono e energia.

Ainda de acordo com a diretora da sociedade de Oftalmologia Pediátrica na Latino américa, Márcia Tartarella, a exposição prolongada à essa  luz, ocasiona degeneração macular, graves problemas à retina e ainda ocasionar a cegueira.

“Essa luz tem uma fototoxicidade, que deve ser considerada. O efeito é cumulativo, ou seja, não vai acontecer nada no mês seguinte, mas sim ao longo dos anos”, afirmou a especialista.

A médio e longo prazos, fora afetar os pontos já citados, é frequente observarmos em pessoas expostas à luz azul-violeta, características e doenças como:

  • Mau humor;
  • Cansaço excessivo;
  • Depressão;
  • Obesidade;
  • Desenvolvimento da diabetes.

Proteção para os seus olhos

É claro que, com o aumento do acesso a aparelhos eletrônicos, fora o estudo sobre o assunto, especialistas também desenvolveram uma tecnologia que pudesse conter todos esses males ocasionados pela luz azul.

São as chamadas “lentes azuis”.

Elas possuem a tecnologia do filtro azul, que fornece uma proteção especificada para esse tipo de iluminação contra:

  • Fadiga ocular;
  • Visão embaçada;
  • Dores frequentes de cabeça.

Além disso, fornece um conforto muito maior à visão, permitindo-a ficar mais relaxada.  

Cada vez mais as pessoas têm buscado por essa nova tecnologia que, apesar de pouco conhecida, já tem sido bastante popular desde seu lançamento, devido aos inúmeros benefícios à saúde do corpo que fornece.

Se você tem se deparado com alguns dos sintomas citados nesse post, não perca mais tempo e recupere já a sua qualidade de vida e sono, por meio do uso de lentes azuis adequadas.

Sobre o autor

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *