Atenção! Olhos vermelhos podem indicar problemas

Atenção! Olhos vermelhos podem indicar problemas

Não é à toa que dizem que através dos olhos é possível identificar o estado de saúde de uma pessoa. De fato, eles podem refletir alegria, cansaço e até mais do que se espera, incluindo complicações de saúde. É o que indica em inúmeros casos os olhos vermelhos. Saiba mais!

É comum que, ao nos depararmos em situações de irritabilidade nos olhos, os observemos com aspecto avermelhado. Inclusive, não é raro ocorrer em ambientes com forte fumaça, vento e areia.

Além disso, acontece também quando coçamos os olhos com muitas frequência por quaisquer motivos. No entanto, com exceção dessas ocasiões, os olhos vermelhos podem ainda dar sinais de que algo está errado em nosso organismo.

Doenças x Olhos vermelhos

Ao visitar periodicamente um profissional oftalmologista é possível identificar precocemente doenças nos olhos, geralmente indicadas primeiramente pela vermelhidão aparente nesses órgãos.

Entre as mais frequentes podemos citar:

A Ceratite

A ceratite geralmente é identificada pelas pessoas acometidas por ela antes mesmo de consultar o oftalmologista.

Isso ocorre devido ao grande desconforto nos olhos e dor que se sente ao piscar.

Além disso, não apenas os olhos vermelhos, mas sensibilidade à luz, pálpebras inchadas e visão embaçada também são sinais bastante evidentes de ceratite.

O que ocasiona esse quadro?

Geralmente, a ceratite surge em decorrência de uma constante irritação ocular. Sendo assim, pode ser resultado de exposição a químicas mais fortes, às quais a pessoa não esteja habituada, fora a poluição e o uso inadequado de lentes de contato.

Independente do nível de irritabilidade apresentado e fatores que o ocasionaram, é imprescindível procurar um oftalmologista o mais breve possível ao averiguar esses sintomas.

Olhos vermelhos podem ser um sinal de hemorragias subconjuntivais

Isso sucede quando uma veia da parte branca do olho é arrebentada, gerando, consequentemente, um micro sangramento na região.

Picos de hipertensão arterial, anticoagulantes e impactos geralmente são os principais fatores pelos quais isso ocorre.

 

Atenção: olhos vermelhos podem indicar problemas. Foto/Reprodução: User18526052 no Freepik

 

Conjuntivite alérgica, viral e bacteriana

Em ambos os casos, a vermelhidão e irritabilidade tomam conta dos olhos. No entanto, o que difere cada uma delas é sua origem e o tratamento adequado que deve ser efetuado para que exista melhora no quadro.

Alérgica

A conjuntivite alérgica é aquela que ocasiona intensa coceira, tanto nos olhos quanto na região das pálpebras do indivíduo afetado.

Além disso, inchaço também é bastante comum na área. Diferente das outras conjuntivites, essa em especial propicia uma secreção em pequena quantidade.

Viral

Pode ser descrita principalmente pela dificuldade em abrir os olhos que, além de vermelhos, permanecem doloridos.

A pálpebra também é atingida nesse caso, ficando bastante inchada.

Existe secreção também na conjuntivite viral, no entanto, ela é produzida em quantidade maior e possui uma coloração esbranquiçada.

Bacteriana

Essa é bastante conhecida por grande parte das pessoas e é caracterizada principalmente por fazer com que os olhos fiquem “grudados”.

Isso acontece devido a grande quantidade de secreção produzida pelo olho, a qual tem cor amarelada.

É interessante observar, contudo, que nessa situação um olho é acometido e posteriormente o outro.

Previna-se dos olhos vermelhos

Assim como citamos acima, ao menor sinal de quaisquer dessas ocorrências, é essencial procurar um profissional qualificado para obter o melhor medicamento, instruções e cuidados. Dessa forma, evitam-se complicações.

Sendo assim, para prevenir qualquer uma dessas situações que podem agredir seus olhos, é necessário:

– Fazer uso de lentes adequadas;

– Manter os óculos higienizados e com grau ajustado;

– Evitar a luz azul-violeta, situações de estresse e ambientes com resíduos químicos.

Aproveite e compartilhe este post em suas redes sociais! Temos certeza que pode ajudar alguém com essas informações. 

 

Leia também:

Conjuntivite: o que é e como evitar

Sobre o autor

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *